, ,

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas

Valerian and the City of a Thousand Planets
 Valerian e a Cidade dos Mil Planetas
(Bom)

Ficção Científica

  • Estreia: 10 de Agosto de 2017
  • País / Ano de Produção: França / 2016
  • Duração: 129 min.

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas | Crítica

Luc Besson cria espetáculo visual, mas fica devendo na história

A abertura de Valerian e a Cidade dos Mil Planetas sintetiza suas intenções. Um satélite surge em uma tela quadrada, que simula uma transmissão de TV na década de 70. Ao som de “Space Oddity”, de David Bowie, a proporção de tela é ampliada para estabelecer a relação entre passado e futuro. Povos da Terra e do espaço se encontram ao longo dos séculos em uma estação espacial que ganha vida própria enquanto Luc Besson deixa claro que fará um espetáculo visual da adaptação da HQ de Pierre Christin e Jean-Claude Mézières.

Projeto querido do cineasta, que conta ter lido as aventuras de Valerian e Laureline aos 10 anos, Besson mostra seu amor pelo material de origem em cada cena. É essa proximidade, contudo, que prejudica o longa. Sem a distância necessária para eliminar excessos, o diretor, que também assina o roteiro e a produção, não vê as redundâncias que transformam o arrebatamento inicial de Valerian e a Cidade dos Mil Planetas em uma contagem regressiva pela sua conclusão.

Os acertos no campo imagético, com seu uso criativo das cores, do 3D, da captura de performance, dos movimentos de câmera e da montagem, não encontram correspondência na narrativa, que se desgasta em 2h17min. A trama simples é tratada como complexa, repetindo explicações e perdendo tempo com reviravoltas desnecessárias. A escalação de Dane DeHaan (Major Valerian) e Cara Delevingne (Sargento Laureline) para os papéis principais piora o quadro, perdendo a sustentação que dois personagens fortes poderiam trazer ao longa. DeHaan é um ator competente, mas sem a malandragem e o galanteio (à la Han Solo) necessários para o papel. Delevingne se esforça, mas sufoca o heroísmo da sua Laureline entre caras e bocas. A relação dos dois também é mal construída, forçando um romance sem se preocupar em estabelecer a química entre as partes.

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas se torna uma experiência bipolar, entre o desgosto pelo roteiro e o reconhecimento pela exímia direção de Besson. A cena de abertura é uma lição de como fazer um prólogo cinematográfico ao estabelecer quase sem palavras a grandiosidade e os temas do longa. A missão de Valerian e Laureline em um mercado público em outra dimensão é outro momento surpreendente. O cineasta atesta o seu talento para a ação ao construir a intrincada relação entre uma realidade desértica e outra com milhares de lojas e seres, vistos apenas com o uso de um óculos especial. O ritmo frenético é estabelecido na montagem, que aproveita todas as possibilidades da situação. Outro trecho, em que Valerian atravessa as paredes da Cidade dos Mil Planetas e passa por diversos ecossistemas, usa a inspiração na dinâmica dos games com pompa cinematográfica para criar uma experiência imersiva e empolgante.

Besson fez uma ópera espacial com toda a ostentação do gênero, mas perdeu o foco por amor. Isso não tira o peso do seu filme, mas torna mais difícil a conexão com o espectador. Valerian e a Cidade dos Mil Planetas perde o dinamismo de uma aventura espacial ao insistir em romance e intriga política intergaláctica sem antes estabelecer uma mitologia ou dar consistência aos seus heróis. Faltou beber um pouco da fonte de Star Wars, franquia que ironicamente Valerian ajudou a criar (saiba mais). 

Segundo Besson, porém, o filme terá o mesmo destino de O Quinto Elemento, a sua ópera espacial de 1997 que não encontrou público nas bilheterias, mas se tornou um clássico cult. “Será ainda maior”, disse. Se não entenderem hoje, entenderão depois.

Deu certo. É um filmaço.

Na vida real, quase ninguém faz pose e cena. E a Cara é assim: normal :)

"Parece ter um visual incrível"... Tem.

Esse 3D é tecnologia obsoleta, anos 50. Imagem projetada em tela não tem brilho suficiente pra aguentar óculos escuros. Vi o Valerian em 2D. Foi show.

Brigado por transformar em citação, rs.

"Muito melhor que Star Wars." - tony forst, 2017

E se gostarem, é melhor a gente não ir ver, rs. Valerian é pura arte do cinema.

Vdd. Tô pensando em ver de novo.

Não é questão de destruir. Valerian é simplesmente melhor.

Gostaria de ver o Valerian II, já pensando no III. Espero que continue sempre.

E eu, 4,5 de 5.

Tem intelectual que não curte o filme; ele assiste e vai imaginando o texto da crítica, rs. São inocentes, sabem de nada :) Mas a crítica da Natália até que foi razoável. Agora, cuidado quando um intelecutal crítico exalta um filme: "Fantástico, maior filme dos últimos tempos". Nesses casos, é melhor esperar cair na Netflix, rs. Valerian é um lindo filme. Sem falar que também é engraçado e dá o que pensar.

Adorei o filme. Ótima diversão com vários níveis de profundidade filosófica. Efeitos especiais superagradáveis de ver. Música linda, mas senti falta de synths e eletrônica (música eletrônica fica fantástica em filme de espaço). A dupla protagonista tava meio sem jeito, mas a gente acostuma, rs. O planeta Mül e seu povo são um show à parte: coisa linda, tanto no visual quanto no conteúdo humano riquíssimo. Até que enfim, humanos alienígenas verdadeiramente superiores aos quase-humanos da Terra. Demorou, mas o original francês copiado por StarWars chegou ao cinema. Melhor que Guardiães 2 e Passageiros – também dois ótimos filmes de espaço. Muito melhor que Star Wars.

VSTA>> <B>IMAX.BESTCINEMAX.COM

O filme é uma mistura de StarWars, O quinto elemento, Avatar e talvez outros mais. Enredo fraco, toca músicas de suspense em cenas simples e sem sentido, tentanto parecer que algo extraordinário está acontecendo. Filme fraco na minha opinião

Esqueçam a crítica. Fui ver, achei ótimo. Não é filme pra discutir a meta existência, dinâmica intuitiva do roteiro, linguagem implícita ou qualquer outra baboseira pseudo intelectual. É um filme de diversão feito com bastante competência.

Assisti o filme. A obra é um espetáculo de efeitos visuais, o design das criaturas são super criativos, mas a escolha dos atores não poderia ter sido pior... Cara Delevingne e Dane Dehaan são sonsos demais! A Cara parece um zumbi atuando e o Dane parece uma versão em live action do 'L' de Death Note, com aqueles olhos de peixe morto. Não existe química alguma no casal. Outro ponto negativo é o enredo. Criaram tanto peso dramático com o mistério do planeta perdido, que na hora de resolver a parada, não poderia ter sido pior. A câmera começa a girar sem sentido nenhum e os protagonistas iniciam um diálogo filosófico de 5ª série (quem assistiu vai saber do que eu estou falando). Eu admito que os primeiro 40 minutos conseguiram me prender, mas daí pra frente amigo... é a decida de uma montanha russa. Vai ser difícil o Luc Besson fazer um filme ao nível de Quinto Elemento novamente.

Discordo com você Natália em algumas das suas apreciações, Valerian e a Cidade dos Mil Planetas é um filme bom em vários sentidos e muito mais na estruturação da narrativa justamente porque consegue da melhor maneira construir uma mitologia factível e verossímil em pouco menos de duas horas, pense que é um universo totalmente novo e denso para o espectador pero que graças a uma introdução muito bem elaborada e a uma narrativa visual organizada não perde a conexão com o mundo criado nos primeiros minutos. Verdade que as atuações foram médias e o enredo amoroso entre os protagonistas dispensável mas a pesar disso não tiram a graça de uma história que poderia ser pesada. Se o começo foi bom o final é ainda melhor e não pela escena final mas pelo desenlace da história que não acaba no já bastante trilhado: Salvar o mundo, ou o universo, ou a vida toda, e mostra que o respeito por uma especie (e quem sabe, pelas diferenças) é mais importante que o simples cumprimento do deber. Só por isso já sai do cinema tranquilo, pra mim 4/5.

oi

Comentário sem pé nem cabeça.

Voltando do cinema de queixo caído. magnífico! Bravo! Perder um filme desses no cinema pra quem diz q é fã de sci fi e HQs é totalmente inexplicável. Luc Besson monstruoso

É muito ruim. Desperdício de 3d para um roteiro mal desenvolvido.

Acabei de sair do filme onde eu pesquei umas quatro vezes. Fiquei impressionada em como o filme pouco andava entre um cochilo e outro.

wtf

Exatamente, vale o ingresso. Tipico filme pra se ver no cinema e pronto.

Fui ver o filme só por causa dela.

fazia mt tempo que eu não dormia em um filme...

Não. Não era, virge.

E olha q achei q ela mais expressiva doq o Dane Dehaan. E nesse até q ela atuou um pouco melhor doq em Cidades de Papel. Adoro ela, mas naquele filme foi sofrível. E se eu for comprar Valerian, será em blu ray, mais por causa dos efeitos especiais mesmo, pq são de encher os olhos.

Hollywood precisa parar de achar q a Cara Delevingne é atriz. 3º filme com ela q eu vejo, 3º filme dela q me faz ter vontade de arrancar meu olho.

Pelo menos não li "grandiloquência" em lugar nenhum do texto da Natália. Já ganhei o dia.

Vai entender! Amei esse filme e detestei Dunkirk!

Eu não entendo os que criticam o roteiro, como que se o roteiro de Avatar fosse uma maravilha!

Bem isso mesmo Diego! Vão ao cinema desprovidos da crença de que filmes precisam criar mitologias! FILMAÇO!

Nilza, particularmente, gostei muito do filme! Para mim também beiraria (5) ovos. Meu filho também adorou! Já meu colega, detestou! A crítica do omelete foi a melhor que li até agora, não desmereceu o filme em momento algum, já a do Plano Crítico...

acabei de ver ... filme massa da Po$#$!!!!!

ai da ate uma broxada ver filme protagonizado pela cara sei la o que. A escolha do elenco desse filme já meio que entrega q ele foi uma tentativa apelativa de ganhar box office mas foda-se o resto.

era esse filme que iria destruir Star wars ?

Exatamente isso!

Do ponto de vista da análise das diferentes espécies extra-terrestres, efeitos e o visual, foi show de bola, só por este fato já valeu assistir. Mais concordo, o filme acaba tendo uma narrativa cansativa e a atuação dos personagens centrais poderia ter sido melhor, mais valeu a pena no geral, gostei.

É porque muita gente cresceu e acha que se divertir é coisa de moleque, tudo tem que ser pragmático, tem que ser real. Cinema para mim é uma válvula de escape, é a hora em que me desligo do mundo, e aproveito o filme, sem me deixar levar por críticas. O que é ruim pra Natália e a maioria pode ser bom pra mim, é assim que penso. Menos em relação a Transformers, aquilo é ruim demais rrsrsrs

Não concordo com o termo 'fanboy', acho que todos podemos ou não curti qualquer coisa sem ser 'fanboy'. Mas, já que 'fanboy' é uma das palavras/expressões modinhas do meio 'nerd' na atualidade, vou fazer uso dela agora. Pior que 'fanboy' de Marvel ou DC é 'fanboy' de crítico. A Natália Bridi poderia abrir seu próprio fanclube, porque tudo o que ela fala tem 'fanboy' que a defende com unhas e dentes. Parecem até aqueles moleques que na escola ficam carregando a mochilas das meninas achando que vão dar uns pegas e na verdade estão sendo apenas palhaços, os chamados burros de carga.

Este filme tinha tudo para dar certo. Não deu.

Perdi o interesse de ir ao cinema para ver o filme. Tudo que li até agora aponta para um filme medíocre em roteiro com belos efeitos visuais. A feição dos dois atores e forma como foram escolhidos não distingue gênero, se vestir ela de homem e ele de mulher irão trocar de papeis. o filme aponta para o politicamente correto e do meninXs, ou seja, outro filme para a ideologia de gênero, multiculturalismo, e outros ismo que se iniciaram em 2010 em diante. Vai passar muito na sessão da tarde.

Decepcionante! Roteiro ruim com cenas de romance barato. Poderia ser um game, ainda assim haveria de se preocupar com a falta de credibilidade da cidade e das naves, que são desproporcionais, completamente falsas e artificiais. Faltou o toque de um BLADE RUNNER.

HG Wells não tinha preocupação com explicação científica (tirando a quarta dimensão ser o tempo, uma ideia que já vigorava na época), mas o foco dele era usar a a FC (ou o romance científico como era chamado na época) pra discutir temas, Star Trek é space opera, toda aquela estrutura vinda de navios e submarinos e claro, mas discussões filosóficas. Um fato interessante, o Asimov não gostava da série no começo por causa de um erro científico, depois se correspondeu com o Roddenberry e se tornou um consultor (inclusive do primeiro filme) http://www.openculture.com/2015/12/how-isaac-asimov-went-from-star-trek-critic-to-star-trek-fan-advisor.html O Asimov se formou em bioquímica e era um divulgador científico, por isso se incomodava com erros.

Sua opinião!! Gosto muito mais das criticas dela do que do Marcelo!! Me identifico muito mais com as críticas dela!! Respeite, não precisa concordar, mas respeite!!!

Parabéns gostei muito da critica!! Não desmereceu o filme nenhum momento!! Amei o quinto elemento e Valerian ainda não assisti mas acho que vou gostar!!

Nah, então, FC tem preocupação com explicações cientificas e do ponto de vista do nimoy, nao ta errado a se referir a pseudo ciencia, já que falar em teletransporte e outras coisas que nao existem de vdd é complicado, mas existia uma consultoria la (assim como em outros filmes). ST não era FC hardy, mas mesmo o espaço para manobra era pé no chão, bem diferente dos Space Operas (o que como já disse, nao é desmerecimento).

Eu assisti hj. Gostei do filme. Não achei tão ruim assim como disseram. Só acho q não precisava ser quase duas horas e meia de filme. Se fosse só duas horas, tava perfeito.

Podem detonar o Hessel, mas debaixo de toda a arrogância e vaidade nos textos dele, há um ponto de vista... uma idéia, alguma substância. Agora, já as críticas da Natalia... não tem qualquer peso, quer ela goste de um filme ou não. Basta lembrarmos de quando ela cravou, em letras garrafais, que Dunkirk "não é filme de arte". A questão não é se a tal película é boa ou não, mas sim dessa suposta "sábia incontestável" que simplesmente se acha capaz de dizer o que é arte ou não - sendo que ninguém pode fazê-lo. E é essa mentalidade que permeia tudo que essa moça faz. Só há... arrogância e vaidade. Nada mais.

Acho que os críticos não gostam de ficção científica.

O filme é maravilhoso!!! Por mim beiraria a cinco (5) ovos! O foco não é perdido e, realmente é uma ópera espacial. Lindo, lindo!!! Não deixem de assistir! O filme começa com a estação espacial , que vai se ampliando com os povos do mundo (americano, russo, chines, o brasileiro, o canadense...) e algumas centenas de anos após chegam os alienígenas. Tenho a impressão de que talvez Luc Besson tenha ouvido falar do astronauta canadense Chris Hadfield, que muito sucesso fez na ISS (estação espacial internacional), cantando Space Oddit... Quem ouviu o astronauta canadense , quando vê o filme e ouve a tal música, tem a sensação de que a cidade dos mil planetas começou com a ISS. O filme mostra as diferentes personalidades dos diferentes povos da galáxia ( como acontece na Terra, com os humanos)... Enfim, o filme é uma verdadeira ode... Um visual delicioso... maravilhoso... Repito: assistam!!!

Engraçado das criticas outro dia vi a do novo homem aranha, pessoal elogiando e tal, vi e achei um filme super raso ! :/

Besson disse que é um clima parecido com O Quinto Elemento. Já quero assistir!!!

"Besson fez uma ópera espacial com toda a ostentação do gênero, mas perdeu o foco por amor. Isso não tira o peso do seu filme, mas torna mais difícil a conexão com o espectador. Valerian e a Cidade dos Mil Planetas perde o dinamismo de uma aventura espacial ao insistir em romance e intriga política intergaláctica sem antes estabelecer uma mitologia ou dar consistência aos seus heróis" Meu deus do céu! Todo filme é obrigado agora a estabelecer uma mitologia ou dar "consistência aos seus heróis"? Porque? Pra se importarem com eles? Faz sentido nenhum. (se estivessemos falando de um triologia, hexalogia e etc, ok, mas não) Assistam, é um filmaço, a história convence sim. (A HQ é isso, buh!), não via um espetáculo visual como esse desde Avatar. FILMAÇO.

Luc Bensson sabia criar um climax viu, acho a cena de abertura de "Lucy"fantástica, só que parece que ele cria um tensão que não sabe concluir como.no caso do filme " A família" que tem um.final brochante. Enfim não conheço a HQ mas preferia uma continuação de "O quinto elemento" com esse visual, podiam retornar o Bruce, a Mila e Chris Tucker que acho engraçado bagaray.

Eu adorei esse filme. É cheio de ação e romance. Os efeitos especiais são incríveis. Para quem gosta de filmes de ficção científica eu super recomendo. Eu só fico decepcionado em saber que os críticos não gostaram.

space opera é fc, o que tem preocupação é fc hard, tanto que o termo scientifiction foi usado pelo Gersback pra definir Skylark of Space do E.E Doc Smith, o pai da space opera.

Outra crítica sobre o filme: https://cinematographecinemafilmes.wordpress.com/2017/08/09/valerian-e-a-cidade-dos-mil-planetas-2017/

Detalhe: Os filmes de Van Damme, Stallone e cia tinham um nível de testosterona que hoje seria inaceitável para a garotada de hoje em dia. Pois somos uma geração MUITO Sensível ! Palavras e Imagens de Cinema machucam muito !

"Quinto Elemento" continua visualmente deslumbrante mas o restante só piora.

Não sei, uma vez li uma entrevista do Nimoy e ele disse que o texto era pseudocientífico, em tempos, eu gosto das duas franquias, não acho que uma seja depreciativa em relação a outra. http://televisao.uol.com.br/noticias/redacao/2015/02/27/ator-de-spock-disse-que-nao-suportava-bla-bla-bla-cientifico-da-serie.htm

Star Treck não é space opera, é ficção cientifica. Ele pode ter elementos de space opera, mas a classificação e FC. Já Star Wars é space opera com elementos de ficção cientifica. Este é o motivo das infames piadas entre os fas das duas historias. Veja: em ST as historias tem explicações de seus fenomenos, explicações cientificas: o teletransporte, comunicadores, a viajem da luz e etc. SW não tem essa preocupação (o que não é defeito, faz parte da historia): os sabres de luz, a força, blasters, planetas diferentes com mesma gravidade, naves com medidores de velocidade parsecs; tudo isto não é explicado (com fundamento cientifico) e isso de certa forma é o charme do SW. Por esses motivos ST é ficção cientifica e SW é opera espacial.

Eu curti pq curto filmes de ficção espacial repleto de efeitos. Curti o Destino de Júpiter por conta disso. Valerian é o caso, bons efeitos, roteiro meia boca mas que dá pra divertir. Acho que a escolha do Dane DeHaan pra Valerian foi complicado, eu li a HQ e ele não foi uma boa personificação do personagem. Mesmo quem não leu achou que ele não cumpriu bem com o papel... bom ator, mas o personagem foi errado pra ele. Cara Delevingne é lindenha... dá pro gasto. Em suma... provavelmente vou ver de novo quando sair o bluray.

Sarah, Muito válido teu ponto de vista. Mas não era bem a isso que me referia. O que me refiro é que atualmente as pessoas não vêm mais o cinema como diversão.

É fraco msm, falha no que pra mim é o essencial que é o roteiro, a história é óbvia e simples. O filme começa até de forma empolgante, no melhor estilo "show, don't tell", onde sem dizer quase nada mostra o nascimento da cidade, com a trilha de David Bowie sensacional. Visualmente manda super bem, mas como da metade pro fim vai ficando tudo muito óbvio na história, esse visual acaba até perdendo seu impacto num filme que começa a ficar cansativo. A dupla de protagonista nem me incomodaram, como li criticas indicando, acho que se esforçaram e entregaram o que lhes foi solicitado. o que me incomodou e muito foi o vilão, pois desde suas primeiras falas fica bem claro quem ele é, e não deveria ser assim. Tem um momento que fiquei querendo rir de tão tosco, onde o filme tenta fazer um mistério de quem é o vilão, aí mostra uma cena do passado sem colocar o rosto dele, para criar um mistério, como se fossemos ter um baita plot depois rsrs, mas o plot o que todo mundo já sabe. Acho que dois ovos, pelo visual e direção, já estariam de bom tamanho.

Talvez consiga fazer sucesso na China e de uma salvada na bilheteria final , tem o Kris Wu no elenco.

Alice fez 1 bilhão em 2010. Sempre vão dar grana para o cara.

Olha assisti o filme de estreia e gostei muito me senti até no mundo do material Original mas sério, tirem por favor essa Nathalia Bridi das Críticas, se puderem levem o Hessel também kkkkk

Ou uma produtora de funk.

Já foi, não é mais!

Eu concordo com o diretor, se não entenderem hoje, vão entender depois. Eu lembrei muito da sensação de ter visto o Quinto Elemento assistindo Valerian, gostei bastante do filme, mas achei que ele tem problema de ritmo e isso pra mim foi o mais grave. É um filme de 2 horas e 17 minutos, mas parece que foi umas 3 horas ou 3 horas e 30.

Isso é Luc Besson... O melhor é deixa-lo no visual, pq na narrativa ele se perde... Ta na turma do Snyder e Bay...

Pois é. Gostei do que você disse, penso parecido sobre o Valerian e acho que é sessão da tarde total. Merecia mais bilheteria. E achei bem melhor que Lucy.

putz, não sabia disso não.... eu também não achei LUCY grandes coisa não.... acho até que o sucesso se deve a SCARLET JOHANSON, devido ao seu envolvimento nos filmes da MARVEL....

O Lucy, filme anterior do Besson, custou 40 milhões de dólares e arrecadou 458. Como é um dos dois produtores de Valerian, o dinheiro que ele está investindo é o próprio.

Rapaz..... Visual espetacular, me diverti muito com o universo detalhado de VALERIAN, esse visual criou uma imersão muito bem vinda, nessa parte os caras estão de parabéns..... A história não é ruim, eu achei bem simples na sua proposta e bem conduzida, me fez querer saber onde ia dar tudo aquilo, mas o final cagou tudo, é muito brochante, uma solução muito sem graça pro meu gosto.... e ficou faltando uma porrada de explicações para o conflito que gerou todo aquele celeuma..... 03 ovos, vai flopar ??? vai, uma pena, tinha potencial monstruoso..... vai passar direto nas tardes de domingos na REDE GLOBO ???..... vai.....e a garotada vai amar.... o que eu acho estranho, é o estúdios ainda darem crédito pro TIM BURTON e pra essa LUC BESSON..... os caras há muito tempo não fazem filmes que dão boa bilheteria e os estúdios continuam derramando dinheiro no colo desses dois.... vai entender..... devem ter alto QI.....

Star Trek é space opera, mas se Star Wars (e os universo Marvel e DC) acabam caindo pro science fantasty, Star Trek tem elementos de ficção científica hard, ou seja, mais rigor científico, fora outras abordagem filosóficas, na época, chamaram alguns dos grandes escritores de FC do momento.

"Luc Besson cria espetáculo visual, mas fica devendo na história" - Só pelo trailer já dava essa impressão.

Filme pra se ver por torrent, desde o primeiro trailer já dava pra ver que seria um Destino de Jupiter 2.0, belos visuais, mas história mediocre.

eu também rsrs

Quem disse que a Cara Delevigne podia ser atriz, estava dopado nesse dia

Ela viu o filme e como é uma crítica sobre o FILME, então está ótimo. Pouco importa a HQ.

Cara, nem o melhor dos agentes conseguiria convencer um cineasta de blockbuster a contratar uma atriz rasa - pra dizer o mínimo - se não tivesse alguma outra coisa rolando por baixo dos panos.

Curioso é que esse filme tem tido tão pouca visibilidade e investimento nos cinemas que nas sessões da minha cidade nem 3D e muito menos IMAX vai ter, mesmo sendo uma estreia - enquanto Dunkirk com 3 semanas ainda tem sessões em IMAX e mais horários disponíveis. Vou ter que me contentar em ver apenas legendado em 2D -_-

Muito bem colocado. Quando crianças, não temos a capacidade de discernir esses aspectos técnicos, hoje adultos nos tornamos mais exigentes.

Descobri ontem que ele era homem, pelos cartazes do filme sempre achei que era mulher.

Quem fez essa crítica leu a HQ de Valerian de 1967? Pelo jeito não!!! Lamentável. Falou muita bobagem por falta de conhecimento.

Porque você era criança nessa época. As crianças de hoje em dia tem o mesmo sentimento assistindo Os Vingadores ou a Liga da Justiça.

Péssimo negocio, melhor jeito de lavar dinheiro é abrindo uma rede de igrejas.

com certeza IMAX 3D

Leio as críticas dos filmes e acabo pensando quando foi que o cinema deixou de ser algo para divertir e emocionar como era na minha infância. Hoje a preocupação maior é se o filme criará um universo expandido, se há ou não furos de roteiro ou há uma divisão de fãs de um lado e quem odeia do outro. Nos anos setenta e oitenta assistíamos Van Damme, Chuck Norris, Schwarzenegger e Stalone e aquele filmes apenas nos traziam diversão, sem preocupação. Apenas cinema.

Honestamente? Só de terem escalado a fraquíssima Cara Delevingne com o atriz principal, e participação da Rihanna para atrair os fãs da cantora, eu já não esperava muita coisa. Não tem diretor "p*ca das galáxias" que consiga salvar um filme em que os atores, que deveriam ser um dos focos principais, são sofríveis, achando que vai segurar a falhada no efeito especial, né?

Também acho que Star Trek distou um pouco dessa classificação, embora ainda flerte um pouco com o Space Opera.

Vou assistir, parece ter um visual incrível feito pra ver no cinema.

a Cara Delevingne tem mesmo é um rostinho de quem só vive mal humorada isso sim

Em resumo, mas um clipezão de 2 horas. Muitas cenas bonitas, muita produção, computação gráfica correndo solta e um roteiro feito nas coxas que só serve como desculpa para juntar varias cenas. Isso já virou um problema cronico de vários filmes. Vou esperar passar no Telecine...

nao sei classificar Star Trek mas concordo com vc, n seria uma space opera.

Tiago Belotti deu 5

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus